🚚 Envios grátis para o continente a partir de 50€ | Mais info

Ir para o conteúdo

Natureza engarrafada: Como são feitos os óleos essenciais e os absolutos

A natureza está cheia de fragrâncias maravilhosas, mas de que forma é que o sedutor cheiro da rosa, ou o hipnótico aroma da canela, chegam até à garrafa?

É tudo ciência. As plantas contêm compostos aromáticos e, tal como sugere o nome, são o que as faz cheirar tão bem (ou mal). De forma a obter estes compostos, os mesmos devem ser extraídos.

Os humanos usam as plantas pelo seu aroma há milénios, tendo desenvolvido várias formas de o fazer. Em alguns casos, é tão simples como espremer um limão; em outros, o processo é bastante mais complicado.

Pétalas, caules, frutas, vegetais, cascas de árvore e folhas - todos têm diferentes texturas, estruturas e composições, o que significa que precisam de tratamentos diferentes para libertar os seus compostos aromáticos.

Há três métodos principais de extração: destilação a vapor, extração de absoluto e expressão. Cada um produz um material fragrante que pode ser usado em vários produtos e perfumes. As fragrâncias podem também ser criadas sinteticamente, em laboratório.

DESTILAÇÃO A VAPOR

A destilação a vapor é o tipo de extração mais comum. É usado para obter óleo de ervas, sementes, cascas e raízes - incluído hortelã-pimenta, sândalo e salva-esclareia.

Esta técnica relativamente simples não mudou muito ao longo de milhares de anos - e isto deve-se ao facto de apenas serem necessários água, o ingrediente que queres destilar e os contentores onde e pode aquecer e coletar.

A destilação a vapor ocorre ao forçar o ingrediente a libertar os óleos voláteis que tem no seu interior. Primeiramente, o ingrediente é colocado dentro da vasilha e combinado com vapor ou água quente. O calor quebra a planta e os seus compostos aromáticos e liberta o vapor onde está infundido o óleo essencial do ingrediente. Este vapor aromático é depois condensado e recolhido. Este liquido condensado é recolhido num separador de óleo, que permite que o óleo e a água se separem. O óleo é então coado e engarrafado.

EXTRAÇÃO DE ABSOLUTO

Alguns ingredientes não conseguem suportar o calor requerido para fazer a destilação a vapor. Em vez disso, alguma flores e rebentos, como a acácia ou o jasmim, são submetidos a um processo denominado extração por solvente. Esta forma de expressão não usa calor, vapor ou água. Os ingredientes são submergidos num solvente, como o etanol ou o hexano, de forma a libertarem o seu aroma.

A mistura solvente dissolve os compostos aromáticos da planta e liberta-os no líquido. O solvente é depois removido, deixando para trás uma mistura concentrada e fragrante conhecida como absoluto. Tipicamente, os absolutos têm um cheiro mais próximo da planta original do que os óleos essenciais, pois não foram aquecidos. Muitas plantas podem ser usadas para criar tanto óleo essencial como absoluto, mas alguns ingredientes estão apenas disponíveis em absoluto devido à sua constituição. Esta forma de extração é também usada para produzir concretos e resinoides.

EXPRESSÃO

Possivelmente a forma mais simples de extração, a expressão envolve a prensagem de um ingrediente para que liberte o óleo essencial.

Hoje em dia, é usado para recolher óleos da casca de frutos cítricos, como a toranja, limão e lima, pois é na casca que armazenam a maioria dos seus óleos. Este tipo de extração pode ser feito à mão, ao espremer a pele, ou em larga escala, através de processos mecânicos.

Página de início - Natureza engarrafada: Como são feitos os óleos essenciais e os absolutos

Copyright © 1995–2022 Lush Retail Ltd.