📅 Lembra-te de fazer a tua compra até 28/4 para que chegue a tempo!

Ir para o conteúdo

Não se trata apenas de moda - A história do cabelo Afro

Todos nós aspirarmos a um bom dia de cabelo. Mas imagina se até o termo "bom cabelo" estivesse envolto numa miríade de conotações negativas que te deixassem a questionar a tua beleza e identidade? A história do cabelo Afro está enraizada em muito mais do que em estilos e tipos de caracóis. Mais do que estética, há celebração e controvérsia.

Com mais pessoas negras a assumirem o seu cabelo à medida que este cresce naturalmente, e com a Lush a lançar a sua gama de cabelo Afro em novembro de 2020, decidimos explorar o significado mais profundo por detrás da viagem do cabelo natural.

Tradição e espiritualidade do cabelo

Nos países africanos, as tribos usavam (e ainda usam) o seu cabelo para mais do que um simples estilo. As intrincadas tranças que usavam significavam a sua posição. Desde a posição, religião ou estado civil, um penteado dizia muito sobre a identidade de uma pessoa. Estes penteados elaborados podiam levar horas e, por vezes, dias a criar, pelo que o processo também era utilizado como um momento de união entre a comunidade. A pessoa que entrançava o cabelo fazia-o como um serviço social e como um ritual, sem qualquer expetativa de recompensa.

Pensava-se também que o cabelo tinha um significado espiritual e possuía um poder imenso. Sendo a parte mais elevada do corpo, acreditava-se que era o canal para os deuses e os espíritos chegarem à alma. A trança era uma forma de arte, ensinada pelos membros femininos mais velhos da família, e os cabeleireiros eram considerados especialistas e os membros mais fiáveis da sociedade.

Comércio de escravos

Em 1619, o tráfico de escravos mudou tudo, não só roubando a liberdade a milhões de africanos, mas também a sua identidade cultural. Viajar em navios durante longos períodos de tempo significava que o cabelo ficava emaranhado, pelo que os proprietários de escravos rapavam a cabeça de homens e mulheres - algo que teria sido considerado um crime indescritível em muitas tribos. Os proprietários de escravos e os comerciantes também se referiam ao cabelo dos escravos como "lã", como forma de os desumanizar.

Quando o cabelo voltava a crescer, homens e mulheres adoptavam um novo estilo nascido da praticidade e começavam a entrançá-lo para maior conforto quando trabalhavam nas plantações. Não tendo as ferramentas e os tratamentos à base de ervas tipicamente utilizados em África para limpar e pentear o cabelo, tinham de recorrer a outras coisas a que podiam ter acesso, como gordura de bacon, manteiga e petróleo.

Em breve, as tranças tornaram-se muito mais do que uma conveniência, mas uma ferramenta que salvava vidas. As mulheres, que geralmente podiam andar mais longe do que os homens, tornaram-se responsáveis pelo mapeamento das rotas de fuga. Desenhar ou escrever as direcções (o que era improvável com pouca ou nenhuma educação) era demasiado arriscado, pelo que elas entrançavam o cabelo para fazer mapas e, muitas vezes, escondiam pequenos pedaços de ouro e sementes para as sustentar depois da fuga.

As Marcas Psicológicas

Os leilões de escravos durante esta época também valorizavam a "brancura" da pessoa em questão. As feições largas, o cabelo crespo e a pele escura eram considerados pouco atractivos, enquanto os escravos com pele mais clara ou cabelo mais macio tinham um valor financeiro mais elevado. Esta mentalidade venenosa e profundamente prejudicial permaneceu enraizada na psique de gerações, dando até aos próprios negros uma relação complicada com a sua identidade e o seu cabelo natural.

Os anos 1700 trouxeram uma ameaça ao status quo quando as mulheres negras livres usavam estilos apelativos que chamavam a atenção de potenciais pretendentes. Assim, em 1786, foi aprovada a Lei Tignon no Louisiana, que obrigava as mulheres negras a usar um lenço na cabeça para cobrir o cabelo. Forçadas a adotar esta lei, rebelavam-se da única forma que podiam, usando lenços de cabeça feitos de tecidos bonitos, o que, por sua vez, chamava mais a atenção.

A escravatura terminou em 1865, mas as cicatrizes emocionais e psicológicas continuaram a ser sentidas pelas gerações mais jovens - como se pode ver em áreas cosméticas como os cuidados com o cabelo. Em 1872, o pente de pressão foi inventado por François Marcel Grateau, um cabeleireiro francês, e mais tarde patenteado "o pente quente" por Annie Malone. O pente quente era utilizado pelos negros para imitar a textura do cabelo europeu. O "bom cabelo" (o mais fino e liso) tornou-se um pré-requisito para conseguir determinados empregos, frequentar determinadas escolas e igrejas e ser aceite em determinados grupos sociais. As mulheres com cabelo liso eram consideradas mais bem adaptadas e eram mais aceites pelos seus colegas brancos. Pouco tempo depois do aparecimento do pente quente, foi inventado o alisador de cabelo e as mulheres negras continuaram a optar por um cabelo liso que se adaptava a um padrão de beleza europeu.

O movimento dos cabelos naturais

Na década de 1920, Marcus Garvey, um notável ativista dos direitos civis, encorajou os seus seguidores a recuperarem a sua estética natural e a "removerem os defeitos da sua mente, não do seu cabelo". Só na década de 1960 é que a sua retórica seria adoptada por pessoas como a ativista política americana Angela Davis e Cicely Tyson, uma atriz americana que arriscou a sua carreira ao cortar o seu cabelo quimicamente alisado pouco antes de se estrear na televisão, porque sentiu que a personagem que estava a interpretar teria uma juba natural.

Em 1930, Haile Selassie foi coroado imperador da Etiópia. Quando foi forçado a exilar-se depois de liderar a resistência contra a invasão italiana, os guerrilheiros juraram não cortar o cabelo até ele ser libertado. Com o passar do tempo, os seus cabelos ficaram emaranhados e formaram longas madeixas. Estas madeixas ficaram profundamente associadas a estes guerreiros e, como eram "temidas" ou "temíveis", nasceu o termo "dreadlocks". O rastafarianismo foi levado para a Jamaica em 1935 e Haile Selassie era visto como um messias. Hoje em dia, muitas pessoas associam as rastas ao modo de vida rastafári, mas nem todas as pessoas que têm rastas seguem o movimento, usando-as antes como uma forma de expressão pessoal.

Na década de 1950, foi lançado um alisador de cabelo permanente ou "relaxante". Os produtos químicos necessários para alterar a estrutura natural do cabelo para um estado permanentemente liso causavam irritação e queimaduras no couro cabeludo, queda e danos no cabelo. Este era o preço desagradável da "beleza" para os negros. Mas a mudança estava a chegar. As poderosas palavras de Marcus Garvey iriam ressoar na comunidade negra e seria tomada uma posição.

A Revolução do Black Power

O movimento black power dos anos 60 foi uma força destinada a mudar a visão que a comunidade negra tinha de si própria e do poder que detinha. Despertou o orgulho racial e promoveu o interesse dos negros tanto a nível político como social. O afro tornou-se um símbolo do poder e do orgulho negro. O alisamento era visto por alguns como uma expressão exterior do peso da assimilação, pelo que o abandono desta prática era uma forma de se libertarem dos grilhões mentais e de recuperarem as suas raízes. Os artistas e activistas negros transformaram o seu cabelo numa forma de expressão e foi cunhada a expressão "black is beautiful".

As tranças deixaram de ser motivo de vergonha para passarem a ser motivo de celebração. Por isso, quando Bo Derek fez manchetes por usar tranças no filme "10" e lhe foi atribuído todo o crédito pelo look que rapidamente se tornou conhecido como "Bo braids", foi um golpe para a comunidade negra. Foi o epítome da apropriação cultural; a revista People chamou-lhe uma "mania transcultural", enquanto o mesmo look numa pessoa negra seria considerado "ghetto" ou "despretensioso".

No local de trabalho, as tranças, os afros e as madeixas eram mal vistos, com muitas pessoas a serem despedidas por causa do penteado, alegando as empresas que o estilo não se adequava à imagem da empresa. Ainda hoje vemos o policiamento do cabelo negro na sociedade, os meios de comunicação social continuam a perpetuar uma imagem negativa do cabelo afro e a sociedade ainda usa termos como "fralda", "selvagem" e "indomável" para descrever a juba de uma pessoa negra.

A viagem do cabelo natural no século XXI

Nos anos noventa, o movimento do "cabelo natural" estava pronto para regressar. Desta vez, não havia uma agenda específica ou um objetivo político por detrás do movimento, apenas indivíduos que o escolhiam pelas suas próprias razões. A indústria do cabelo afro valia cerca de 88 milhões de libras e as marcas tradicionais, que normalmente não se dedicavam ao cabelo afro, começaram a ramificar-se para capitalizar esse mercado. O movimento continuava a ser sobre liberdade, bem como um tributo àquilo por que a comunidade negra lutava nos anos 60.

Hoje em dia, as tranças podem não ser vistas da mesma forma que eram, mas o cabelo preto será sempre político. Quer estejamos a ter o debate "não toques no meu cabelo", a seguir um tópico no Twitter sobre o último penteado das Kardashians, ou a criar laços com amigos e familiares sobre o nosso último "penteado", a discussão estará sempre presente e, por vezes, será divisiva. Mas o que realmente importa é voltar a falar do que é importante; é fundamental compreender a história do cabelo afro.

O cabelo afro não é uma moda, mas uma forma de recuperar uma identidade que outrora foi roubada. Por isso, quando te fores olhar ao espelho e desejares que o teu cabelo "incontrolável" desapareça, ou quando perguntares a um amigo ou colega quanto tempo demora a domar a sua juba selvagem, ou quando estiveres a pensar em como conter o teu cabelo afro para uma entrevista de emprego, pensa de novo; o cabelo afro, seja qual for a sua forma, é bonito e está enraizado numa história dolorosa que os negros ainda estão a tentar ultrapassar.
Encontra aqui os produtos da nossa gama de cuidado de cabelo Afro.

Página de início - Não se trata apenas de moda - A história do cabelo Afro